+55 71 99103.0603 contato@arcadiainsitute.com.br

Inspiração é uma coisa muito boa, mas vinda de uma mulher tem um toque especial, não é? Vamos aproveita este mês, que é dedicado às mulheres, e contar aqui histórias de algumas brasileiras que podem encher a sua vida de inspira + ação. “The Future Is Female”!

1 – Maria da Penha
Em 1983, a farmacêutica bioquímica Maria Penha foi baleada pelo marido enquanto dormia, atentado que a deixou tetraplégica. Julgado e condenado, o agressor não permaneceu preso e, por isso, o Brasil foi condenado em esfera internacional pela omissão do Estado nos casos de violência contra a mulher. Em 2006 foi sancionada a Lei 11.340/2006, mais conhecida como Maria da Penha (não por acaso), com o objetivo de reduzir a violência doméstica e familiar contra as mulheres.

2- Marta
Nordestina da cidade de Dois Riachos, em Alagoas, a jogadora de futebol Marta foi eleita a melhor do mundo por seis vezes, sendo que cinco consecutivas. Além disso, é a maior artilheira da Copa do Mundo de Futebol Feminino e a maior artilheira da Seleção Brasileira, tanto no feminino quanto no masculino, ultrapassando até Pelé, o maior nome do esporte no Brasil e reconhecido em todo o mundo. Com 33 anos, Marta atualmente joga pelo Orlando Pride, nos Estados Unidos.

3- Chiquinha Gonzaga (17/10/1847 – 28/02/1935)
“Ô Abre alas que eu quero passar, ô abre alas que eu quero passar”. Quem nunca ouviu essa marchinha de carnaval, que por sinal foi a primeira da história? Chiquinha Gonzaga foi quem a escreveu, em 1899. Pela arte, se divorciou criando os dois filhos sozinha e foi a primeira mulher a reger uma orquestra no país. É no dia 17 de outubro, data do seu aniversário, que se comemora o Dia Nacional da Música Brasileira.

4 – Zilda Arns (25/08/1934- 12/01/2010)
Indicada diversas vezes ao prêmio Nobel da Paz pelo governo brasileiro, Zilda Arns Neumann foi fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, promotora do desenvolvimento integral de crianças de 0 a 6 anos de idade. Médica pediatra e sanitarista, Zilda foi responsável pela redução drástica da mortalidade infantil no Brasil.

5 – Maria Quitéria (27/07/1792 – 21/08/1853)
Heroína da Guerra da Independência, a baiana Maria Quitéria foi a primeira mulher a fazer parte do Exército Brasileiro. Para isso, teve que se vestir de homem e usar o nome do cunhado, passando a ser chamada de soldado Medeiros. Não demorou muito para que seu disfarce fosse descoberto, mas continuou na tropa por conta da sua disciplina e pela facilidade que tinha em manusear os armamentos.

Depois desses grandes exemplos, que tal entender melhor sobre o poder da inspiração para mulheres? Participe da próxima edição do nosso Ciclo de Palestras Arcadia (que este mês traz temas do universo feminino) que acontece na próxima terça-feira, dia 19, com a empresária, terapeuta holística e diretora da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB) Arlene Vilpert, no auditório da instituição. Mais informações: (71) 99103-0603/ falar com Ana Paula.

X